Comparação entre as obras com Steel Frame no Brasil e nos Estados Unidos

Diferente de uma construção comum, o Steel Frame (também chamado de Light Steel Frame) conta com estrutura de perfis em aço galvanizado ao invés de tijolos e argamassas.

O interessante é que o sistema dispensa o uso de água na produção e instalação e proporciona conforto térmico e acústico muito melhor do que na alvenaria.

A tecnologia ainda gera menos entulho, permite uma obra mais rápida e prática e leva a uma boa economia financeira.

Nesse artigo, você vai entender como, quando e onde o Steel Frame surgiu, e vai ter a chance de fazer uma comparação com a sua utilização nos Estados Unidos e no Brasil.

Confira!

Como e onde surgiu o Steel Frame?

Vamos conhecer um pouco da história do Steel Frame?

No século XIX, os colonizadores faziam construções em madeira no território americano. Mesmo quando os Estados Unidos conquistaram a região, a alternativa continuou sendo utilizada para suprir o aumento da população, uma vez que era esse o material disponível até então.

Chamado de Wood Frame, o modelo passou a ser o sistema residencial mais comum no país.

Foi só em 1933, com o desenvolvimento da indústria do aço no local, que foi lançado o protótipo de uma residência em Steel Frame, que nada mais é que a utilização de aço na estrutura ao invés da madeira.

Com o crescimento da economia americana no pós 2ª Guerra Mundial, o material, mais leve e resistente às intempéries, começou a ser ainda mais usado.

Nesse período também surgiram no Japão as primeiras construções em Steel Frame para reconstruir as casas destruídas por bombardeios.

Considerando que a madeira contribuía para o alastramento das chamas e para a destruição em massa, o governo japonês restringiu o seu uso para promover uma alternativa que não fosse inflamável: a estrutura em aço.

Agora, o país inclusive conta com um mercado e uma indústria altamente desenvolvidos em perfis leves de aço na área da construção civil.

Mas vamos voltar aos Estados Unidos?

Nos anos 1990, o material passou a ser ainda mais utilizado devido a uma instabilidade no preço e na qualidade da madeira.

Hoje, não só nesse país, mas em outros em que o segmento é predominantemente industrializado, como Inglaterra, Austrália, Japão e Canadá, o Steel Frame é a opção mais aplicada.

No Brasil, a tecnologia começou a ser uma aposta apenas em 1998, mais especificamente nas edificações de médio e alto padrão, com o intuito de romper paradigmas culturais.

O Light Steel Frame nos Estados Unidos e no Brasil

Como você pôde perceber ao ler o tópico anterior, não só os Estados Unidos como também diversos outros países possuem o Light Steel Frame como o modelo de construção mais utilizado.

Trata-se de uma cultura local mesmo, que foi moldada ao longo do tempo.

Hoje em dia, os americanos entendem que essa tecnologia é a mais interessante e já a utilizam de maneira automática nas obras.

Pena que no Brasil essa cultura ainda não é tão predominante.

Infelizmente, nem todos visualizam o custo-benefício da opção e as suas diversas vantagens para o meio ambiente.

Além disso, existe certa resistência com relação a ela.

Alguns acreditam que o Steel Frame é mais frágil do que a alvenaria devido à sua leveza, o que, obviamente não é uma verdade. É exatamente ao contrário disso.

O sistema chegou a passar por testes em laboratórios, os mesmos feitos com os demais materiais, e não só foi aprovado em todos eles, como se mostrou muito mais resistente a impactos físicos e intempéries.

De qualquer forma, ele tem sido visado por aqui para a construção de conjuntos habitacionais e de residências em grande escala graças à sua industrialização capaz de gerar alta produtividade e racionalização dos processos.

O Steel Frame é o sistema construtivo mais utilizado nos Estados Unidos, Japão e em diversos países da Europa.

No Brasil ele ainda não é visto como a melhor alternativa, apesar dos testes comprovados com relação à sua eficácia e das diversas vantagens quando comparado à alvenaria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *